“Quem controla o passado controla o futuro; quem controla o presente controla o passado”, rezava o lema do Partido. P. 47
Terminei a grande obra de George Orwell sem palavras, de tão atordoante e ao mesmo tempo admirável que foi a experiência de ler o livro. Porém, vou tentar resgata-las, o máximo que possível, para criar essa resenha e tentar explicitar essa experiência com vocês, leitores.

Primeiro, antes mesmo da sinpse, é necessário dizer algumas informações sobre o livro.
George Orwell (autor também de "A Revolução dos Bichos") publicou "1984" em 1949 (ou seja 35 antes do futuro fictício da distopia) , quando o gênero "distopia" ainda era algo muito recente na literatura.Sua obra é considerada uma crítica a um governo totalitário, um reflexo do lado doentio da sociedade e uma perspectiva de temor sobre o futuro da humanidade, entre tantos outros. É inegavelmente um clássico moderno, que se popularizou mundialmente tanto que hoje termos criados por Orwell são usados na linguagem comum, exemplo "Big Brother" é utilizado para se referir a um governo ou organização que observa e sabe de tudo que acontece. E pelo mesmo motivo que o programa reality-show "Big Brother" recebeu esse nome. Agora fez sentido, hein?

Sinopse:

Winston Smith é um funcionário do governo da Ocêania, uma das  3 grandes potências mundiais do ano de 1984. Nesse governo, a figura máxima é o Grande Irmão, o "benevolente"," o protetor" de todos leais ao partido.

Mas ele não tem certeza se consegue ser leal ao partido. Em meio á toda ilusão, Winston percebe a farsa; a população vive na miséria, porém a cada dia é anunciando que a qualidade de vida aumentou. O passado é constantemente alterado; num momento está em guerra com outra potência - logo sempre esteve em guerra com esta potência.O ano prodigue? O meses, dias, passam? Ele não tem certeza.Pessoas desaparecem e de repente tudo relacionado á elas é apagado, para sempre - logo ela não existe e nunca existiu.Sua vida inteira, cada passo, cada expressão e fala é monitorado 24 horas por teletelas implantadas pelo Partido para impedir o pensamento-crime - qualquer pensamento que seja relacionado á trair o Grande Irmão e tudo que ele representa.

"Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força" é o maior slogan do Partido.
As relações afetivas são proibidas; o desejo sexual é absolutamente condenável. Até a relação entre pai-e-filho é cortada, nessa realidade o único amor que deve prevalecer é o pelo Partido.E o ódio é guardado para o grande inimigo do Partido, A Confraria, comandada por Goldstein - do qual nem se tem certeza se existe. Winston, em meio á todos, é o único que parece perceber a loucura dentro da sociedade, buscando desesperadamente um modo de fugir desse sistema opressor.
Admito que antes de "1984" eu só havia lido distopias atuais - tais quais como Jogos Vorazes, Divergente, Delírio, Feios e etc.Conhecia o gênero, pensava que sabia como era uma distopia, mas não. As diferenças são grandes e a primeira, mais rapidamente notada por mim foi que as atuais são com certeza mais "otimistas".Um exemplo é Katniss em Jogos Vorazes. Apesar dela ir para a Arena competir com 24 jovens até que apenas um sobrasse, desde do inicio ela mantinha em mente que iria (queria) ser vencedora, não iria morrer - era seu objetivo principal.Winston em 1984 por outro lado desde do inicio, sabia, já era um homem morto.Um dia o pegariam.

Fiquei surpresa também, que apesar de ser um livro de quase 40 anos atrás a linguagem permanece contemporânea e objetiva. Orwell, sem apelar para drama, constrói um mapa da vida de Winston, racionalmente.O próprio Winston se admite como um homem extremamente racional. Não é o herói "ideal", é uma pessoa bem real, ciente dos seus egoísmos, inúmeros defeitos, mas pelo menos tem uma característica em que se destaca; mesmo na pior das situações, há a esperança pela humanidade . E por isso talvez que ele indigna tanto com o sistema em que vive.
A realidade no futuro de "1984" é realmente terrível. Mas não é a miséria, fome e guerra que assustam mais no livro, é o fato de perceber, através dos olhos do personagem, que não há realmente uma escapatória.E o pior de tudo é alteração ao passado; a frase do livro é pura verdade "quem controla o passado controla o futuro; quem controla o presente controla o passado".
Até mesmo a linguagem é modificada para reprimir qualquer sentimento ou pensamento individual que não se referisse ao amor á potência oceânica.
Até mesmo nos órgãos do governo há a contrariedade: O Ministério da Paz, trata assuntos de guerra.O Ministério do Amor, cuida de traidores do Partido e os torturam.O Ministério da Fartura, responsável pela produção de alimentos, divulga falsas estáticas positivas quando na verdade a produção só diminui. E o Ministério da Verdade, onde Winston trabalha, falsifica notícias, cria propagandas ilusórias do Grande Irmão e altera as informações sobre o passado, quando necessário - e dessa forma Winston descobre toda a farsa.
O crime de pensar não implica a morte. O crime de pensar é a própria morte!
Mas muitas pessoas também sabem disso.Porém não se revoltam.Porque? Por um dos princípios básicos do Partido. O "duplipensamento". Ter duas ideias opostas, e aceita-las como verdade. Ver e identificar a mentira, mas criar uma ilusão tão grande na própria mente que isto se torna sua verdade.Não há opção. O que o Partido diz é a verdade, e isso tem que bastar.DEVE bastar.

A trama ao longo do livro só melhora cada vez mais.De forma magnifica, Orwell transmite ao leitor o medo e o terror disseminado pelo Partido.O desespero do personagem, a dor - física e psicológica. Há cenas chocantes e de tamanho impacto que eu mesma como leitora, me senti profundamente conectada com Winston á ponto de sentir seu desespero extremo.

Mas a sensação mais forte é quando se percebe que essa realidade criada pelo autor em 1949 tem uma base de verdade na realidade.Que não está tão distante.E o temor pelo futuro...

Info: Editora: Compainha das Letras, I.S.B.N.: 9788535914849, Número de Paginas : 416
Recomendo á todos, foi uma das melhores leituras minhas até hoje!
Já leu? O que achou? Comente e diga sua opinião!







12 Comentários

  1. Oi Manu, tudo bem?
    Nossa, tenho muita curiosidade de ler esse livro!
    Já li A Revolução dos Bichos, do mesmo autor, e sinceramente não gostei muito. Na verdade achei um tanto confuso, com muitos personagens, e somado ao fato de serem bichos, não gostei tanto. Mas é inegável o talento do Orwell!
    Quero muito ler 1984 para não sei, tirar aquela ideia que tive ao ler o outro livro? Melhorar minha imagem dele? Hehe, não sei.

    Adorei o post!
    Um beijo,
    http://obsessivejerk.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca li A Revolução dos Bichos, mas 1984 foi realmente sensacional! Recomendo para você sem dúvida.

      Excluir
  2. Ainda não li este livro, mas já li "A revolução dos bichos", também do Orwell, e devo afirmar que ele consegue criar críticas são sinceras mas ao mesmo tempo tão camufladas que dá gosto de se ler!

    www.decaranasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Eu não conhecia mas parece muito interessante. Um ótimo post. Sucesso para seu blog!

    www.viviteindica.com

    ResponderExcluir
  4. Sempre quis ler este livro, mas minha preocupação é eu achá-lo muito cansativo... mas curti a postagem!

    http://palavras-digitadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem, o ritmo do livro é rápido e a cada página interessa mais ainda.

      Excluir
  5. É um clássico que deve ser lido por todos.
    Bj e fk c Deus
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Manu! Tudo bem com você?
    Muitos dos meus professores indicam esse livro e tenho muita curiosidade em ler, principalmente agora que você trouxe a resenha que me fez querer lê-lo mais ainda hahahaha...
    Beijinhos
    T.P
    4 You Books

    ResponderExcluir
  7. Oooi Manu :D
    Gostei da indicação do livro *-* Acho que o vi no na biblioteca do colégio. Vou ver se acho.
    Beijos
    http://interessantedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá Manuca, como vai?
    Adorei a resenha e adoro este livro tão bem criado do George Orwell, simplesmente maravilhoso. Na minha opinião era para ser uma leitura obrigatória para todos os seres humanos. Uma leitura forte, mas como você disse bastante real. Não foi uma leitura rápida, mas não que seja ruim, mas um livro de dá arrepios com tantos acontecimentos que não fogem tanto da realidade.
    Adorei a resenha.
    Parabéns e sucesso.
    http://chuvaelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Dá realmente arrepios, indico a todo mundo que gosta de distopias!

      Excluir