"The Journey" é um filme comédia romântica malasiano que fez grande sucesso internacionalmente, dirigido por Chiu Keng Guan. Quem me indicou a este filme foi o meu professor de mandarim, Thiago Cheng, mais uma vez me impressionando com a arte incrível que a Ásia produz da qual pouco temos contato ainda, infelizmente.

Depois de anos morando na Inglaterra, a jovem chamada Bee volta para a Malásia com seu noivo britânico, Ben - chamado de Benji pela tradução para mandarim - para celebrarem o casamento lá, perto da família dela e principalmente do pai, Chuan, que não vê há anos. Mas a reaproximação com o pai, um idoso tradicionalista e firme em seus costumes é o que se torna o verdadeiro desafio depois de anos longe vivendo em uma cultura completamente diferente da sua terra-natal, ainda mais se casando com um estrangeiro que sabe menos ainda das tradições chino-malasianas. Tentando conseguir o apoio do pai novamente, Bee convence o noivo a ir com seu pai numa viagem para entregar os convites para antigos amigos dele, todos espalhados por todo o país, obrigando-os a se entenderem para completar esta difícil missão.



Estudo mandarim há alguns anos e com isso acabei aprendendo tanto sobre a língua quanto a cultura chinesa e ainda me surpreendo muito. Para quem não sabe, a China e a Malásia são países próximos, por isso há muitos imigrantes e descendentes chineses lá, tornando as duas culturas, a chinesa e a malasiana original, bem misturadas, inclusive na língua (no filme os personagens vão misturando chinês, cantonês e malaio sem parar). Estas é uma das dificuldades do filme, mas sem medo: tem legendas em várias línguas, inclusive em português e ocasionalmente falam inglês - principalmente Ben-Benji que não sabe falar nenhuma das outras línguas, para piorar ainda mais sua situação!

O filme pode ser considerado uma comédia-romântica, com seus toques de humor, drama e belos cenários do lindo país que é a Malásia.

Na história Bee retorna à casa do pai depois de anos vivendo e estudando na Inglaterra, e como ela mesma comenta se tornando "mais britânica que chinesa exatamente por isso". O distanciamento do  pai porém vem de algo bem mais profundo que uma divergência de valores; é provocada pelo ressentimento que ela nutriu por ter sido enviada  pelo pai para um internato britânico quando era mais nova, logo depois da morte da mãe.  Insiste para que o noivo, Ben, tente seguir as tradições para agradar o futuro sogro tradicionalista, mas ele, sendo um jovem avoado e desastrado, comete muitas gafes que soam como insultos para Chuan, o pai de Bee.

O problema de comunicação não é o único obstáculo entre genro e sogro: é perceptível que para Chuan, Benji não representa só um estrangeiro desleixado, mas também a ruptura final de laços entre Bee e sua origem, tanto cultural quanto o medo paternal natural que sua proteção seja substituída por de outro homem, nesse caso o marido. E nesse meio todo surge outra incógnita para a equação: Bee revela estar grávida e Benji não tem certeza se está pronto para ser pai.

Bee então, astutamente, convence-o a embarcar numa viagem para entregar pessoalmente, assim como na tradição, aos amigos do pai, separados no decorrer da vida e com histórias que acabam se relacionando com a do presente.

Quero elogiar em destaque a atuação do ator Frankie Lee Sai Peng, que fez um excelente trabalho (e emocionante) no papel do pai conservador, Chuan.

Uma jornada para juntar novamente pai e filha, e para se provar mais uma vez que barreiras linguísticas e culturais podem ser quebradas por um laço maior, o da compreensão. Além de toda a história bem produzida, conhecemos um pouco mais sobre a fascinante cultura asiática, suas belas paisagens, e povo muito alegre, que em muitos aspectos é bem semelhante à nossa, brasileira.



4 Comentários

  1. Que massa Manu :D Primeiro por você ser uma guerreira que está aprendendo mandarim (deve ser difícil pacas) e gostei bastante do filme. Vou procurara-lo depois aqui :D
    Beijos
    http://interessantedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Parece ser ótimo. Nossa seu texto está tão bem informativo que aprendi mais com você do que com o professor de historia kkkk
    Vou aproveitar as férias e assistir com minha irmã.
    formula-amor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Manu, tudo bem? Adorei conhecer mais sobre a obra.. Infelizmente, há muitas obras boas que deixamos de conhecer apenas por não serem comerciais em nosso país.
    Adoro comédia romântica, então a dica já está mais do que anotada!
    Beijo grande ♥

    Thati;
    http://nemteconto.org

    ResponderExcluir
  4. Achei o filme muito interessante, acho a cultura asiática maravilhosa e completamente encantadora. Sempre tive vontade de aprender um pouco mais sobre ela, e nada melhor que os filmes para nos ensinarem do modo mais divertido possível. Gosto de comédias românticas, principalmente quando elas tem algo a mais do o romance por trás de seu enredo, que me parece ser o caso desse filme. Parabéns pelo post, Manu, e obrigada pela indicação. Beijos!

    ResponderExcluir