O anime "Death Note" (2006) é a adaptação para telas da série de mangás homônimo criada por Tsugumi Ohba e ilustrada por Takeshi Obata; dirigida como anime por Teturo Araki.

No mundo dos deuses da morte, o shinigami Ryuk, entendiado com a rotina, decide jogar propositalmente - quebrando as regras dos shinimgami - um dos cadernos da morte no mundo nos humanos e observar o que aconteceria. Na Terra, o estudante japonês, Ligh Yagami - aluno prodígio, carismático e filho de um policial - encontra um caderno, intitulado "Death Note", caído no chão. Pega-o e lê suas instruções, ficando assombrado ao perceber que o propósito do caderno é, através da simples escrita, matar uma pessoa em poucos segundos. Enxerga então a possibilidade de usar o caderno para matar criminosos ao redor do mundo e assim, ao seu modo, purificar o mundo e criar sua realidade perfeita.




Logo no primeiro episódio, somos expostos ao primeiro grande questionamento do anime: o que você faria se tivesse um instrumento com qual pudesse matar qualquer pessoa?


O protagonista, Light Yagami, é confrontado por si mesmo por esse pensamento quando lhe é dado, por "acidente", o caderno da morte do shinigami Ryuuk. Cético, ele duvida das instruções na contra-capa do caderno, mas mesmo assim, pela curiosidade, testa-o escrevendo o nome de um criminoso que viu no noticiário, e é surpreendido: o caderno realmente funcionava. Não apenas funcionava, mas como tinha uma séries de instruções que definiam como podia ou não ser usado, inclusive suas limitações, por exemplo a regra que determina que a causa da morte pode ser especificada logo depois que o nome (incluindo até mesmo suicídio), caso o contrário a pessoa com o nome escrito morreria de ataque cardíaco.

Light reflete e decide, que dali em diante, passaria a matar todo tipo de criminoso (assassinos, sequestradores, molestadores, ladrões, etc), seguindo seu próprio senso de justiça para criar o "mundo ideal" onde só pessoas honestas e boas poderiam viver, nem que sacrificasse sua alma e todas suas forças para conquistar tal objetivo.  E esse é um dos primeiros "xizes" da questão, porque, a partir do momento que ele utiliza o caderno para matar outras pessoas que ele julga merecer a morte, ele estaria ele próprio se tornando um assassino.  Mas o desejo de Light de remover a "podridão" do mundo é tão grande que ele passa a ignorar esse detalhe, assumindo a filosofia de Maquiavel, de que "os fins justificam os meios" e disposto a destruir qualquer um que se oponha a criação de seu mundo ideal. Se intitula como "Kira" - variação japonesa para a palavra em inglês, killer (assassino) - e passa a olhar a si mesmo como deus desse novo mundo.

E exatamente para se opor à Kira, "L" (que passa a usar o pseudônimo de Ryuzaki), o maior detetive vivo do planeta, se oferece para caça-lo e leva-lo à justiça. O que Light não contvaa é que esse detetive, que oculta seu rosto se comunicando pela televisão usando a imagem da letra "L" e a voz distorcida, teria uma inteligência páreo à dele e também estava disposto a ir até as últimas consequências para descobrir a verdadeira identidade do Kira. Assim começa uma verdadeira batalha psicológica entre duas mentes brilhantes.

Death Note, que possui uma premissa inicial terminantemente voltada para o gênero sobrenatural, em poucos episódios evolui quase que monstruosamente, se tornando uma história sobretudo investigativa e cheia de suspense, mas que também aborda amplamente reflexões profundas sobre a existência de cada um, o valor de uma vida, e quanto seria necessário sacrificar para alcançar um mundo ideal.

Sem dúvida nenhuma "L" e Light são os personagens mais complexos do anime, cada um cheio de excentricidades, um intelecto impressionante (colocando como comparação aliás vários outros gênios da literatura, filmes e séries para tal afirmação) e personalidades distintas. Enquanto Light, o "Kira", é um jovem carismático, bonito e sociável - o que contribui muito para seu disfarce -, Ryuzaki, o "L", quase da mesma idade, é introvertido, encurvado e silencioso. Ambos com sensos de justiça opostos, mas que ainda assim, no meio de um jogo alucinante de gato-e-rato que desenvolvem numa corrida para ver quem "vence" o outro primeiro, criam uma estranha afinidade. Se reconhecem como semelhantes mesmo que seus objetivos sejam destruir um ao outro.


O anime se expande cada vez mais, envolvendo outras tramas intricadas dentro desse polo central: como Misa, uma menina que acha outro Death Note e  se torna o "segundo Kira", apoiando o primeiro; um grupo de empresários da corporação Youtsuba que o usa as mortes ao seu favor; até mesmo dois aprendizes do "L" se juntando à corrida atrás do Kira. Realmente não desejo me especificar em nenhum deles, porque mesmo sendo interessante de se comentar, não vale a pena desperdiçar a surpresa para você que está lendo a resenha se um dia desejar assistir esse anime.

Mas algo que eu acho importante ser levantado, é que a genialidade com qual o roteirista do anime construiu a trama, criando mensagens de fundo discretas, mas reveladoras. Gostaria de deixar claro que desde o início eu não tive a indecisão, que vi em outras resenhas, muito comum para quem assistiu o anime/leu o mangá: nunca concordei com o Light. Mesmo antes da chegada "L" (que se tornou um dos meus personagens preferidos), eu já discordava de suas ações. Sem dúvida um anti-herói marcante, que inicia sua jornada com boas intenções, apesar do método, mas o destino selado pela loucura. É  sutil a forma com que o roteirista conseguiu inserir nesse personagem, acredito que principalmente no início, a faceta de "profeta" predominante, para aos poucos transforma-la em de um ditador. E porque ditador? Há algo de comum com todos os líderes opressores. Eles sempre iniciam sua carreira com boas-intenções, pelo menos ao seu ponto de vista, visando sinceramente melhorar a vida para todos. Mas o poder o consome e lhe sobe a cabeça. Se torna desconfiado e paranoico, mas ao mesmo tempo, acredita ser um deus invencível e imortal. O seu poder é mais baseado no medo do que a adoração. E como todos os ditadores, tem sua destruição final pelas mãos do seu próprio povo.

Quanto ao L, mesmo com todos os acontecimentos (apenas quem já assistiu entenderá), se tornou para mim um dos meus personagens preferidos da ficção, com sua personalidade intrigante e modos sutis. 
Queira você goste de animes ou não, se é fã de suspenses ou/e elementos sobrenaturais e queira desafiar sua mente a entrar numa história sombria, cheia de reviravoltas e reflexões, este seria um que eu te indico definitavemente. (Disponível no Netflix).

Já assistiu esse anime? Quer conversar comigo sobre ele? Deixe um comentário ou uma mensagem lá na fanpage do blog, que ficarei feliz em responder! Comente diga sua opinião!






6 Comentários

  1. Oii tudo bom? Sempre me indicam esse anime, mas como não costumo assistir animes frequentemente acabei não procurando detalhes sobre ele. Porém sua postagem despertou meu interesse kkkkk vou assistir um episódio depois pra ver se eu vou gostar, quem sabe eu não continuo =D
    Um abraço
    Oficina do Leitor / Facebook

    ResponderExcluir
  2. Vou aproveitar que está na Netflix e assistir. Está na minha lista há algum tempo, mas nunca dou uma chance. Eu acho a história ótima, mesmo sem tê-lo assistido. Gostei de saber sua opinião. ^^

    http://legadodaspalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Esse foi o melhor anime que já assisti na vida. Vou até me segurar nesse comentário, pois quando começo falar de "Death Note" eu esqueço do tempo.

    Eu não decide se amo ou odeio o Light. Entendo as motivações dele, o que é assombroso, eu sei. Enfim, esse anime coloca qualquer um para pensar.

    Nossa, e o final? Quase chorei... Mentira... eu chorei rsrs

    http://eueminhacultura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Manu! Quanta empolgação heim ! haah Nunca assisti anime , esse parece ser um bom pra começar não?! Ou vc acha que pra um começo teria outro melhor?
    Bjss
    Expressão Moda & Literatura

    ResponderExcluir
  5. Sim, seria ótimo para começar, principalmente se você gostar de bons suspenses e investigações, porque esse eu indicaria para qualquer um fã do gênero! Outro muito bom para começar seria Legend of Korra, que aliás fiz resenha aqui no blog. É uma boa opção porque ele não é exatamente um anime, seguindo a classificação dos mais experts nessa área, mas estaria meio que no ponto de transição. Link: http://misssorrisos.blogspot.com.br/2014/09/the-legend-of-korra-livro-1-ar-1.html

    ResponderExcluir
  6. Nunca assisti anime, sei lá nunca me chamou a atenção uheueheu mas esse parece ser bem legal, ótimo para quem quer começar assistir! :)

    Até mais!
    Math // de-livro-em-livro.blogspot.com

    ResponderExcluir